Dramaturgia Baiana

Cleise

Cleise Mendes

Estreou como dramaturga em 1975, com o musical Marylin Miranda. Sua produção, a partir daí, situa-se na fronteira entre a literatura e o teatro, em um trabalho ininterrupto de criação e adaptação de textos para teatro, com dezenas de peças já encenadas. Parte dessa dramaturgia encontra-se publicada, como: Lábaro Estrelado, Bocas do Inferno, O Bom Cabrito Berra, Castro Alves, Marmelada: Uma Comédia Caseira, Noivas (SECULT, 2003). Recebeu o Troféu Martim Gonçalves de Melhor Texto por A Terceira Margem (1981), o Troféu Bahia Aplaude de Melhor Autor pela peça Castro Alves (1994) e o Prêmio Braskem de Teatro, de Melhor Autor, por Joana d’Arc (2010). Publicou contos e poemas esparsos em jornais e coletâneas de jovens autores (Novíssimos contistas da Bahia, 1974), até o primeiro livro “solo” de poemas: Ágora – Praça do tempo (Salvador: FCEBA, 1979), e, mais recentemente, O Cruel Aprendiz (Salvador: EPP, 2009). Foi premiada como contista pela Revista Ficção (Rio de Janeiro, 1976) e publicou contos reunidos em A Terceira Manhã (Rio de Janeiro: Imago, 2003). Em 2011 publicou seu primeiro livro para crianças: Gabriel e o Anjo da Bagunça (Salvador: Edições Caramurê). Como teórica e ensaísta, publicou A gargalhada de Ulisses: a catarse na comédia (São Paulo: Perspectiva, 2008 – Indicado ao Prêmio Jabuti na categoria Teoria e crítica literária), As Estratégias do Drama (Salvador: EDUFBA, 1995) e Senhora Dona Bahia – Poesia Satírica de Gregório de Matos (Salvador: EDUFBA, 1996), além de inúmeros artigos em periódicos sobre teatro e literatura. Em 2008, criou o grupo de pesquisa Dramatis – Dramaturgia: mídias, teoria, crítica e criação, formado por pesquisadores de várias áreas, cuja produção organizou no livro Dramaturgia, ainda: reconfigurações e rasuras (Salvador: EDUFBA, 2011). É doutora em Letras, professora da Escola de Teatro da UFBA, pesquisadora do CNPQ e membro da Academia de Letras da Bahia.

Obras

Voltar

Cultura e Cidade

Sobre Platão e Jorge Luis Borges

Gil Vicente Tavares 29/09/2017

Pouca gente sabe, mas o Shazam da música que meu pai fez com Antonio Carlos & Jocafi, com o qual aprendeu-se a sorrir, era o cão de meus pais. Platão, meu cão, sorriu por cerca de 15 anos ao...

Parem! Vocês são pretos!

Cláudio Marques 02/09/2017

Final de tarde de um domingo em Venice Beach, Los Angeles. Verão, quente. Milhares de pessoas na avenida principal. Eu caminhava com meu pequeno Tião em uma rua paralela, fugindo de uma multidão...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter