Cultura e Cidade

  • Gil Vicente Tavares

    Encenador, dramaturgo, compositor e articulista. Doutor em artes cênicas, professor da Escola de Teatro da UFBA e diretor artístico do Teatro NU.

“Devolva meu São João”; ou não

Meninos soltando pipa, de Portinari

Em 2010, a cidade de Jequié passou por polêmicas por conta de sua festa de São João. Primeiramente, porque a prefeitura batizou os festejos daquele ano de “São João, Xangô menino”, homenagem à canção de Caetano Veloso e Gilberto Gil, que estaria entre as atrações daquele ano.

Prontamente, evangélicos hostilizaram o tema, por se tratar de uma citação a um orixá. A intolerância e ódio ao próximo e ao diferente, que não siga seus dogmas, sempre me pareceram algo assustador. Pastores famosos perdem mais tempo com a negação e a condenação, do que em pregar o amor, símbolo maior da mítica passagem de Jesus pela terra.

Mas não parou por aí. A população reclamou da falta de atrações mais midiáticas, que poderiam atrair turistas e estariam em maior consonância com o gosto da população local.

O detalhe era que dentre as atrações havia, além de Gilberto Gil em seu auge de homenagem à música nordestina, Dominguinhos, Flávio José, Targino Gondim e Adelmário Coelho, dentre outros. Uma programação incrível, que facilmente me mobilizaria a ir a Jequié no São João.

Agora em 2017, artistas resolveram criar a campanha “Devolva meu São João”, criticando a presença da música sertaneja e afins, que estavam tomando espaço de músicos e bandas tradicionais, mais ligados à tradição e à raiz da festa junina.

Há duas coisas distintas, mas que se conectam, ao final, em torno dessa questão.

Tenho arrepios ao ouvir uma valoração especial ao tradicional e de “de raiz”. O que seria, por exemplo, a música nordestina de raiz? O trio nordestino e aquelas vestimentas imortalizadas por Luiz Gonzaga? Não. A formação sanfona, zabumba e triângulo foi um arranjo que Luiz criou para tocar sua música, assim como suas vestes, inspiradas no barroquismo do cangaço, foram invenção sua, também. Gonzagão, a seu tempo, quebrou com a tradição e com a música de raiz. Assim como a Bossa Nova quebrou a tradição do samba, mas depois virou tradicional e foi quebrada pela Tropicália. Assim, sucessivamente, a música muda, ressignifica, rearranja, reconstrói, cita, desmonta, reinventa, nega, aproxima, mistura, e assim o Brasil consegue ter uma das melhores músicas do mundo.

Se me soa incômodo falar em “de raiz” e tradição, incômodo pra mim, também, é artista brigar com artista. Não houve um movimento que colocasse contra a parede gestores públicos, patrocinadores, imprensa e a população; esses quatro, sim, responsáveis diretos pelo sertanejo estar presente de forma dominante nessas festas.

Há espaço para tudo, e não vejo problema com o sucesso de Wesley Safadão ou Ivete Sangalo, ou qualquer desses artistas que estejam na crista da onda. Essa música mais ligeira, superficial, popular em seu sentido mais direto de atingir o povo em todas as suas classes, existe ao redor do mundo. Claro que ouvir aquelas músicas que passam em canais de videoclipe, cantadas em inglês, com toda aquela produção é mais chique, mesmo com melodias pobres, letras patetas, apelo sexual, machista, violento e com foco estrito no comercial; tem que vender.

Assim julgam também o sertanejo, o pagode, o arrocha. E perde-se um tempo danado com essa intolerância e ódio ao próximo, que parece até que há um evangelismo radical nas posturas. O povo – e povo aqui compreende todas as classes – tem direito de ouvir o que quiser, o que gostar, o que lhe interessar.

A questão não é bater no artista.

Temos um sistema educacional que desprivilegia a leitura e a arte. A educação em casa corrobora mais ainda as trevas em que o Brasil vive, quando se trata da formação de leitores e espectadores. A arte e a cultura são alicerces fundamentais da formação de um país, e o que se lê, o que se assiste, o que se sente, se emociona e se admira é levado para seu comportamento social, político e amoroso.

Isso fica claro na audiência que damos às TVs e ao esvaziamento que damos ao teatros. Fica claro nas altas vendagens de livros de auto-ajuda e no empoeiramento de Machados, Rosas e Ubaldos.

Os gestores públicos não fazem sua parte. Muito pelo contrário. A arte não é levada a sério na formação dos estudantes, e a cultura do evento é uma praga devastadora da nossa sociedade. Concentra-se numa ocasião específica um evento recheado de atrações ao gosto do público, gasta-se milhões e os governantes apenas disponibilizam, na esmagadora maioria das vezes, gratuitamente, o que a população já pagaria para ver. E nada muda. Fica tudo mediocremente estabelecido até o próximo evento.

O próprio Gilberto Gil – pra citar umas das atrações “ruins” de Jequié – disse: “o povo sabe o que quer, mas o povo também quer o que não sabe”. Cabe aos gestores públicos pensar uma política cultural. Ter metas, ideias e ideais para diversificar, democratizar, dar acesso e ampliar a visão de arte e cultura de um povo. Massacrados pela mídia – são vítimas e algozes, pois se deixam levar sem consciência crítica (e aí entraríamos na desgraça da formação do indivíduo político nesse país) -, o povo vai sendo teleguiado a gostar de determinada arte, sem ter a opção da escolha, da crítica, sem que a imprensa cumpra seu papel de não ser apenas reprodutora do capitalismo selvagem através de um conteúdo predatório e agressivo, direcionado apenas ao ganho.

Já mergulhados nessa péssima formação do indivíduo político brasileiro, empresários investem no lucro fácil e buscam no mais superficial e rasteiramente sedutor o retorno de seu investimento.

Paulinho da Viola, tão associado ao samba de raiz, o samba tradicional – como se seu próprio samba não fosse outro caminho tomado na canção popular, e como se ele não estivesse com os olhos para o futuro -, usa a máxima: “meu tempo é hoje”.

E hoje, como ontem e sempre, é o tempo de mudanças, de influências, misturas, adaptações. Darwin falou muito bem sobre isso, não perderia tempo elucubrando a respeito. Se os artistas querem reclamar sobre a atual situação das festas juninas, que vão aos gestores públicos, imprensá-los contra a parede. Exigir uma responsabilidade pública sobre a gestão da verba para uma festa, mas não só isso. Que se invista noutras artes e músicas o ano inteiro. Quero viajar pra Jequié no São João ver Gilberto Gil, mas também viajar num final de semana de março para ver uma grande peça de teatro, ir à cidade do sol em setembro ver uma excelente coreografia, ir em julho ver uma bela exposição, ou em novembro ver a apresentação de uma orquestra de câmara. Mas para isso é preciso desconcentrar a verba do São João, que apenas disponibiliza um produto comercial, altamente vendável e potente, de graça. Aí, eu acreditaria nessa campanha.

Acreditaria nessa campanha se houvesse uma provocação violenta quanto ao papel da imprensa e da mídia, no Brasil. O quanto há falta de espaço para determinadas culturas e artes, enquanto outras recheiam as telas e páginas com mais do mesmo.

E o investimento privado? Jogar tudo nas costas do erário? Cadê que há mecenas que se preocupem em criar fundações, com centros culturais, com grande incentivo a todas formas de arte mais sofisticadas, mais excluídas, mais massacradas, mais esquecidas, mais experimentais? Há poucas ações nesse sentido, e uma conversa mais séria sobre os rumos do país passa por isso, também, como passa pela formação da população e pelo conteúdo da imprensa e da mídia. Afinal, tudo isso tem a ver com o povo; esse povo que prefere arrocha a Gil, sertanejo a Elba Ramalho. O São João ideal de boa parte das cidades – pergunte ao povo – é o do sertanejo, do arrocha, do pagode, do axé. Os governos, maliciosamente, alimentam esse desejo espontâneo – e, outrossim, imposto – com eventos que supram momentaneamente – olhemos a origem do carnaval, por exemplo – o cansaço e opressão diários.

Se a campanha “Devolva meu São João”, ao invés de entrar em embate com colegas de classe, batesse de frente com governantes, imprensa e mídia, empresários e o próprio povo que opta com antolhos pelo reduzido cardápio que se lhes oferece, deveria começar por mudar o nome. Ninguém tem que devolver nada. As coisas se transformam. Devolver o São João seria voltar a contratar músicos que buscam o “tradicional” e a “raiz”, muitas vezes trazendo um ar de museu, de “à moda antiga”, de olhar para o passado? Seria garantir o cachê desses e deixar de pensar em nossas tradições à luz da contemporaneidade? Estaria tudo resolvido, com o alijamento de tudo que não fosse o que eles acreditam ser o certo e o melhor?

E esse “meu”? Por que devolver o meu, e não o deles? Por que o que é seu merece mais? Por que o que é meu tem que ser contemplado? Quem é esse “eu” do “meu”? Não seria melhor falar em nós?

Muitos dos artistas que encamparam essa campanha trouxeram, eles mesmos, transformações para nossa música e foram importantes em nosso processo cultural, com suas melodias, arranjos, letras. Assim tem que continuar sendo, abrindo espaço a novas gerações que talvez estejam meio sem rumo.

Pois é. Procurar um rumo. Sem uma formação sólida cultural e artística, fica difícil que novos criadores e fruidores achem um rumo entusiasmante para o São João ou o carnaval ou o dia-a-dia em teatros e casas de xou. Há potências, há talentos, há ideias surgindo enriquecendo nossa música. Se o rumo tá fora do prumo, que os mais antigos e experientes deem uma ajuda no leme, para passar o bastão sem que tudo se empobreça.

Se você acha que a programação do São João é pobre, ruim, pasteurizada, descaracterizada, não é batendo no artista que isso pode mudar.

Quem contratou?

Quem pagou?

Quem divulgou e vendeu publicamente a atração para ela se fortalecer?

E por quê?

Por que o povo quer isso. E aí, vai bater boca com o povo?

Você no fundo está dizendo que o povo, os gestores públicos, a imprensa e os empresários são ruins, pobres culturalmente, pasteurizados e descaracterizados.

Escolha bem em quem bater,e pense bem contra quem lutar. Basta olhar o ringue político das redes sociais para se perceber que enquanto nos engalfinhamos aqui embaixo, os donos do poder esticam seus suspensórios e riem de nós. Torram nossos impostos e nossos cérebros oprimindo e mediocrizando a gente.

É uma quadrilha ao som da pior música.

 

O texto acima é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do grupo Teatro NU.

Todos os Artigos

Comentários

 Graça Menezes
Com todo respeito ao Sr.Tavares a quem tenho o prazer de apreciar os comentários, sinalizo para o ponto de vista sobre o rumo... Entendo ser o rumo as tradições q devem nortear os novos conteúdos pois sem embasamento ficamos desnorteados. O respeito às tradições são de grande valia e sem ele dá no que está dando caro senhor. Espero ter contribuído com a luz despertada pela sua grande percepção da verdadeira inteligência,mesmo que como uma gota d'água. Paz e Bem.

Deixe o seu comentário


código captcha

Voltar

Cultura e Cidade

Sobre Platão e Jorge Luis Borges

Gil Vicente Tavares 29/09/2017

Pouca gente sabe, mas o Shazam da música que meu pai fez com Antonio Carlos & Jocafi, com o qual aprendeu-se a sorrir, era o cão de meus pais. Platão, meu cão, sorriu por cerca de 15 anos ao...

Parem! Vocês são pretos!

Cláudio Marques 02/09/2017

Final de tarde de um domingo em Venice Beach, Los Angeles. Verão, quente. Milhares de pessoas na avenida principal. Eu caminhava com meu pequeno Tião em uma rua paralela, fugindo de uma multidão...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter