Dramaturgia Baiana

ED

Ed Anderson

Mestre em Ciências Sociais/ Antropologia, PUC São Paulo, 2012; Pós Graduado em Critica de Cinema, FAAP, 2009; Bacharel em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, 1995. Autor do livro Dionisiacas – Cenas Teatrais e de diversos artigos e textos teatrais como Aqueles que Fingem, publicado na Revista Aparte XXI do TUSP, 2012; Na África não tem Cowboy, lido e debatido no Festival Internacional A Cena Tá Preta, Salvador, 2012  e na Mostra Melanina Acentuada no Teatro de Arena Eugênio Kusnet – Funarte, São Paulo, 2013; Mulheres no Espelho, premiado com publicação no Prêmio Vertentes 2012, pela Universidade de Goiás; Os Dois e Aquele Muro, premiado com publicação pelo ProAc 2011; As Coisas Belas do Lixo – premiado com publicação no V Concurso Nacional de Literatura 2004, promovido pela Fundação Cultural da Bahia e Dois por um Bordeaux, Menção Honrosa no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, 2007. Em 1998 foi pesquisador do CNPq com o projeto A Dramaturgia Baiana no Teatro Contemporâneo, orientado pelo professor Armindo Bião. Como ator trabalhou nos espetáculos Canudos, 1994, direção Paulo Dourado e As Troianas, 1995, direção Ewald Hackler; cinema: Lamarca, de Sergio Rezende e Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Implantou o projeto Maturarte, 1992-1996, em parceria com a FAPEX e Funceb. Com o Núcleo C.U.L.T. em São Paulo, dirigiu os espetáculos Hamlet em Pedaços; Insones 3X4; O Poço e O Beijo do Homem. Escreveu a Trilogia da Dor para o grupo Perna de Palco-MG, 2009-2012. Atua no setor socioeducativo do Sesc São Paulo. Membro da equipe de curadoria da mostra SOLUS 2010- 2013, Ipatinga-MG. Integrante do júri do FETACAM, Festival de Teatro de Campo Mourão-PR. 2008/2012.

 

Contato – ed.anderson@uol.com.br

Obras

Voltar

Cultura e Cidade

Sobre Platão e Jorge Luis Borges

Gil Vicente Tavares 29/09/2017

Pouca gente sabe, mas o Shazam da música que meu pai fez com Antonio Carlos & Jocafi, com o qual aprendeu-se a sorrir, era o cão de meus pais. Platão, meu cão, sorriu por cerca de 15 anos ao...

Parem! Vocês são pretos!

Cláudio Marques 02/09/2017

Final de tarde de um domingo em Venice Beach, Los Angeles. Verão, quente. Milhares de pessoas na avenida principal. Eu caminhava com meu pequeno Tião em uma rua paralela, fugindo de uma multidão...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter