Dramaturgia Baiana

ED

Ed Anderson

Mestre em Ciências Sociais/ Antropologia, PUC São Paulo, 2012; Pós Graduado em Critica de Cinema, FAAP, 2009; Bacharel em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, 1995. Autor do livro Dionisiacas – Cenas Teatrais e de diversos artigos e textos teatrais como Aqueles que Fingem, publicado na Revista Aparte XXI do TUSP, 2012; Na África não tem Cowboy, lido e debatido no Festival Internacional A Cena Tá Preta, Salvador, 2012  e na Mostra Melanina Acentuada no Teatro de Arena Eugênio Kusnet – Funarte, São Paulo, 2013; Mulheres no Espelho, premiado com publicação no Prêmio Vertentes 2012, pela Universidade de Goiás; Os Dois e Aquele Muro, premiado com publicação pelo ProAc 2011; As Coisas Belas do Lixo – premiado com publicação no V Concurso Nacional de Literatura 2004, promovido pela Fundação Cultural da Bahia e Dois por um Bordeaux, Menção Honrosa no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, 2007. Em 1998 foi pesquisador do CNPq com o projeto A Dramaturgia Baiana no Teatro Contemporâneo, orientado pelo professor Armindo Bião. Como ator trabalhou nos espetáculos Canudos, 1994, direção Paulo Dourado e As Troianas, 1995, direção Ewald Hackler; cinema: Lamarca, de Sergio Rezende e Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Implantou o projeto Maturarte, 1992-1996, em parceria com a FAPEX e Funceb. Com o Núcleo C.U.L.T. em São Paulo, dirigiu os espetáculos Hamlet em Pedaços; Insones 3X4; O Poço e O Beijo do Homem. Escreveu a Trilogia da Dor para o grupo Perna de Palco-MG, 2009-2012. Atua no setor socioeducativo do Sesc São Paulo. Membro da equipe de curadoria da mostra SOLUS 2010- 2013, Ipatinga-MG. Integrante do júri do FETACAM, Festival de Teatro de Campo Mourão-PR. 2008/2012.

 

Contato – ed.anderson@uol.com.br

Obras

Voltar

Cultura e Cidade

Sobre Platão e Jorge Luis Borges

Gil Vicente Tavares 29/09/2017

Pouca gente sabe, mas o Shazam da música que meu pai fez com Antonio Carlos & Jocafi, com o qual aprendeu-se a sorrir, era o cão de meus pais. Platão, meu cão, sorriu por cerca de 15 anos ao...

Tragédia anunciada

Cláudio Marques 23/11/2017

  “Baronesa”, de Juliana Antunes, é um filme difícil. Ele nos leva para o meio da guerra, na periferia. Uma guerra que, via de regra, toma-se notícia de forma fria, através de veículos...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter