Notícias

Evento gratuito discute dramaturgia contemporânea com dramaturgos do Nordeste!

O grupo Teatro NU realiza nos dias 27, 28 e 29 de agosto a segunda edição do
projeto “Diálogos sobre Dramaturgia Contemporânea” e recebe em Salvador os
dramaturgos Racine Santos, Luciana Lyra e Bráulio Tavares. O evento, com
leitura dramática de peças dos dramaturgos convidados e mesa mediada pelo
diretor Gil Vicente Tavares, será realizado na Escola de Teatro da UFBA, das 18h30
às 22 horas, com entrada franca. O projeto tem apoio financeiro do Estado da
Bahia, através do Fundo de Cultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.
Realização do Teatro NU, com produção de Selma Santos.

Discutir a dramaturgia contemporânea a partir dos seus protagonistas. Com essa
proposta, o diretor Gil Vicente Tavares concebeu esta nova edição do projeto e
convidou três dramaturgos nordestinos para contribuir com a discussão e interagir
com os agentes da cena local. A cada dia, após uma leitura dramática, dois
dramaturgos participam da mesa e debatem entre si, mediados por Gil Vicente. A
ideia é “provocar reflexões na criação local, vendo em perspectiva outras visões, e
confrontando suas próprias visões com outras experiências e estéticas”, afirma Gil.

Os dramaturgos convidados vêm de três estados do Nordeste: Luciana Lyra vem de
Pernambuco; Bráulio Tavares da Paraíba; e Racine Santos do Rio Grande do Norte.
Três profissionais de gerações distintas e estéticas diferentes, que terão a
oportunidade de dialogar entre si e de interagir com o público. As leituras
dramáticas serão dirigidas por três profissionais baianos: Marcelo Flores, Elisa
Mendes e Marcelo Praddo. Abaixo, a programação completa e informações dos
dramaturgos convidados.
Dia 27/08/18
Leitura da peça "A Grande Serpente" de Racine Santos
Direção: Marcelo Flores
Mesa com Racine Santos e Luciana Lyra
Dia 28/08/18
Leitura da peça "Fogo de Monturo" de Luciana Lyra
Direção: Elisa Mendes
Mesa com Luciana Lyra e Bráulio Tavares
Dia 29/08/18
Leitura da peça "Quinze Anos Depois" de Bráulio Tavares
Direção: Marcelo Praddo
Mesa com Braúlio Tavares e Racine Santos

Os convidados:
Luciana Lyra
Nasceu em Recife-PE, é atriz, performer, encenadora, diretora, dramaturga e
escritora. Professora efetiva do Departamento de Arte e Cultura Popular e da Pós
Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é
também pós doutora em Antropologia pela FFLCH/USP, pós doutora em Artes
Cênicas pelo DEART/UFRN, e doutora e mestre em Artes da Cena pelo
IA/UNICAMP. Fundadora de seu estúdio de investigação, UNALUNA – PESQUISA E
CRIAÇÃO EM ARTE, Lyra atua como atriz na Companhia de Teatro Os Fofos
Encenam, em São Paulo. Atuou como dramaturga na criação dos textos “A droga da
obediência” (adaptação-1998), “Annexo Secreto” (2003), “Guerreiras”, publicado
em 2010, “Lunik” (Prêmio Criação Literária – Texto de Dramaturgia 2011/ProAC-
2011), “Sobre Homens e Caranguejos” (2012), “Njilas” (2013), “Obscena”
(2015), “Cara da Mãe” (2015), “Josephina” (Prêmio Criação Literária – Texto de
Dramaturgia/ProAC-2016), “Fogo de Monturo” (2015) e “Quarança” (2016), sendo
estes dois últimos compilados e publicados pela Editora Giostri, em 2017, sob o
título Dramaturgia Feminista. É também autora do romance infanto-juvenil “De
como meninas guerreiras contaram heroínas” (2011) e “O Banquete – escritos
mínimos a Afrodite” (2018). Sites: www.unaluna.art.br e www.lucianalyra.com.br.

Bráulio Tavares
Escritor, poeta e compositor. Nascido em Campina Grande (Paraíba), residente no
Rio de Janeiro. Autor das peças: O casamento de Trupizupe com a filha do
Rei (1979); Quinze anos depois (1980); Brincante (com Antônio Nóbrega) (1992) –
Prêmio Shell de Melhor Autor; Segundas histórias (com Antônio Nóbrega) (1994);
Folia de Reis (1997); Malazarte, Canção e Trupizupe (2000); Auto de Natal (com
Beto Brito) (2009); Lampião e Lancelote (2012) – Prêmio Femsa de Melhor Autor;
Suassuna: O Auto do Reino do Sol (2017) – Prêmios Shell e APTR de Melhor Autor.

Racine Santos
Racine Santos é um homem de teatro. Autor, produtor, diretor e editor. Tem toda
uma vida dedicada ao teatro. Nasceu em Natal (RN), em 1948. Boa parte de sua
infância passou na pequena cidade de Macaíba (25 Km de Natal), onde teve seus
primeiros e marcantes contatos com a cultura do povo, assistindo as brincadeiras
de boi-de-reis, pastoril, João-Redondo e lendo seus primeiros folhetos de poesia
popular. De 1961 a 1965 estudou no Recife, onde conheceu Ariano Suassuna,
Hermilo Borba Filho e o artista plástico Abelardo da Hora, pessoas que considera
importante para sua formação cultural e maneira de ver o Nordeste e sua gente.
Sua preocupação com o teatro da região o leva a fundar, em 1992, juntamente com
Luís Marinho, Luís Maurício Carvalheira, Altimar Pimentel, Tácito Borralho,
Romildo Moreira e outros, a Associação dos Dramaturgos do Nordeste, da qual foi
o presidente. Autor de mais de uma dezena de peças, tem na cultura popular do

Nordeste sua grande fonte, não para reproduzi-la, mas como meio de entender sua
gente e falar para ela de maneira direta, clara e viva. São de sua autoria as peças,
entre outras: A Grande Serpente, A Festa do Rei, A Farsa do Poder, Elvira do
Ypiranga, A Ópera do Malazarte, Maria do Ó, Chico Cobra e Lazarino, O Vôo do
Cavalo do Cão, Bye Bye Natal (Musical), O Autor do Boi de Prata e a infantil, O
Congresso das Borboletas.

SERVIÇO

Diálogos sobre Dramaturgia Contemporânea
Data: de 27 a 29 de agosto (segunda, terça e quarta-feira)
Local: Teatro Martim Gonçalves – Escola de Teatro da UFBA – das 18h30 às 22 horas / Gratuito
Realização: Teatro NU (Site: www.teatronu.com)
Apoio: Escola de Teatro da UFBA, Triathlon, Pizzaria La Napoletana e Olho de Vidro
Direção de Produção: Selma Santos Produções e Eventos
Informações:
Ana Paula Prado – (71) 98853-4654 / anapaulaprado68@outlook.com

Página Inicial

Cultura e Cidade

A Cidade do Futuro, o filme

Márcio C. Campos 24/04/2018

Várias cidades do futuro foram erguidas no mundo desde que a sensibilidade moderna se estabeleceu: da italiana e renascentista Palmanova, com sua complexa combinação matemática originando uma...

Odoyá, receba o nosso lixo!

Cláudio Marques 08/02/2018

  Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol...

Assine nossa newsletter