Dramaturgia Baiana

foto

Fábio Espírito Santo

FÁBIO ESPÍRITO SANTO é diretor, dramaturgo, roteirista e iluminador cênico. Graduado em Comunicação Social – Cinema e Vídeo; possui especialização em “Roteiros para Audiovisual”.

Como dramaturgo, é premiado pelo texto “A Farsa da Usura”, no Concurso Nacional de Dramaturgia Álvaro de Carvalho/SC.1998. É também de sua autoria a comédia “Matilde, La Cambiadora de Cuerpos”, o musical “Amor Barato”, prêmio do Edital de Textos Dramatúrgicos da Bahia (Funceb/2010) e o infantojuvenil “Sem Pé Nem Cabeça”, entre outras obras.

Assinou o roteiro e a direção do DVD “Áfricas” (2012), do Bando de Teatro Olodum; a direção artística do concerto/DVD “Yèyè Omó Ejá – Mãe das águas” (2010). Dirigiu os espetáculos “Sobre Flores no Asfalto Quente” (2009); o circense “Histórias Contadas de Cima” (2008); a comédia “Divorciadas, Evangélicas e Vegetarianas” (2005); o musical infantil “Do Outro Lado do Mundo” (1999); e o espetáculo de rua “Quem Não Tem Cão Casa com Gato” (1996).

Na área da iluminação cênica, recebeu o troféu Braskem de Teatro/2008 pelo seu trabalho nos espetáculos: “O Olhar Inventa o Mundo”, “Batata” e “Casa Número Nada”.

No campo do audiovisual, trabalhou como roteirista e diretor de filmes educativos e institucionais. Entre seus trabalhos destacam-se a direção do vídeodança “Sonhos, sopros e sentimentos” (2012), os curtas-metragens de ficção “Cabidela” (2006) e “Onde está Lynch?” (2002) vídeo premiado em festivais de Santa Maria (RS) e Rio de Janeiro (VídeVideo/RJ); a direção do especial para televisão “Bêbado em cama alheia” (2004-TVE.BA).

Trabalhou na elaboração e coordenação de projetos culturais como diretor do Teatro Vila Velha (2008/2009); como repórter do Correio da Bahia e diretor técnico de eventos e casas de espetáculos.


Obras

Voltar

Cultura e Cidade

Sobre Platão e Jorge Luis Borges

Gil Vicente Tavares 29/09/2017

Pouca gente sabe, mas o Shazam da música que meu pai fez com Antonio Carlos & Jocafi, com o qual aprendeu-se a sorrir, era o cão de meus pais. Platão, meu cão, sorriu por cerca de 15 anos ao...

Tragédia anunciada

Cláudio Marques 23/11/2017

  “Baronesa”, de Juliana Antunes, é um filme difícil. Ele nos leva para o meio da guerra, na periferia. Uma guerra que, via de regra, toma-se notícia de forma fria, através de veículos...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter