Cultura e Cidade

  • Cláudio Marques

    De pais e avós baianos, Cláudio Marques é fundador e coordenador do Panorama Internacional Coisa de Cinema desde 2003. Diretor, roteirista, produtor e montador de 6 curtas metragens, todos co-dirigidos com Marília Hughes. "Depois da Chuva", primeiro longa da dupla, foi exibido em mais de 30 festivais pelo mundo. "A Cidade do Futuro" é o segundo longa de Marília e Cláudio e será lançado comercialmente em 2017.

Odoyá, receba o nosso lixo!

Santo Antônio amanheceu assim

 

Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol nascendo, frescor danado, muitas flores, uma quantidade razoável de pessoas voltada aos pedidos e agradecimentos. Havia sentido de revelação ali. Era a parte religiosa do Dois de Fevereiro. Durante o dia, a festa ia ganhando novos contornos. Ia ficando mais quente, em muitos sentidos. No final do dia, a bagaçeira estava instalada. Várias festas em uma só.

Eu gostava como era. Era, pois as coisas mudaram. Agora, grandes shows tomam o Rio Vermelho desde a noite do dia primeiro e reúnem muita gente. Na alvorada do dois de fevereiro, o clima já é de fim de festa. Sujeira e bebedeira para todos os lados. Márcio Correia, no texto “Alvorada hipster na festa de Iemanjá gentrificada”, aqui mesmo no site, escreve sobre isso melhor do que poderia fazer.

Enfim, mudou e pronto. Como não tem mais alvorada, eu resolvi ir à noite do dia dois de fevereiro para colocar a minha flor, meus agradecimentos e conferir os shows de Larissa Luz e Baco Exu do Blues, festa promovida pelo “Lalá”.

A questão que me leva a escrever essas linhas é que, mesmo acostumado com a sujeira que tais aglomerações provoca, eu fiquei impressionando com a montanha fétida de plástico e dejetos diversos que escorriam para o mar naquele final de tarde, início da noite… Não dá para se acostumar com isso, achar tudo normal. “Odoyá! Odoyá!! Receba o nosso lixo, minha mãe.” Seríamos menos hipócritas se rezássemos assim.

No último sábado, dia 03 de fevereiro, o mesmo se passou no Santo Antonio. A festa era do DeHJa8, bloco jovem, mas que já é “tradicional” do bairro. Agremiação pequena, mas que atraiu uma multidão jamais vista no bairro. O “DeHJa8” sempre fez uma bela festa, nos moldes dos mais antigos carnavais. Iniciativa mais do que admirável! Mas, outros blocos saíram na mesma tarde do dia 3 de fevereiro, proporcionando uma aglomeração absolutamente impensável. Foi muita gente e a quantidade de lixo não foi desprezível.

Não tinha a lama fétida do Rio Vermelho, mas, em compensação, os comerciantes do bairro comercializaram cerveja em garrafas de vidro. Passados alguns dias, ainda temos que catar cacos na praça onde as crianças do bairro costumam brincar. Moradores saíram às ruas, em mutirão, recolhendo lixo e lavando os muros, no dia seguinte. Mijo e cerveja para todos os cantos.

Impressiona que a população, no geral, não se sinta responsável pelo lixo que produz. Não há novidade nisso, é fato. Impressiona, ainda, como os organizadores das festas (donos de blocos e bares) não se responsabilizem por catar ou mesmo convencer os foliões a zelar pelas ruas e praças. Não há (ao menos eu não vi) nenhuma ação educativa/ parceira nesse sentido. O “DeHJa8”, formado por pessoas esclarecidas e engajadas socialmente, não poderia formar uma turma de foliões com carrinhos de mão a acompanhar o bloco? Não resolve, é verdade, mas seria uma ação a se espalhar, lembrando que quando convidamos as pessoas para a nossa casa, temos que zelar por ela até o final.

Seria possível que o “Lalá” armasse um grupo de foliões brincando de pegar lixo? Voluntários que ganhariam uma entrada para os shows, depois? Sei lá, puro devaneio, provavelmente… Creio que não dá mais para apenas jogarmos a responsabilidade para o poder público.

Escrevo essas linhas e já escuto sons do carnaval atravessando as paredes da casa. Festa única, que aqui no bairro do Santo Antonio ganha contornos grandiosos a cada ano que passa. A alegria se mistura ao ranço anti-ecológico da folia momesca.

Odoyá!

 

O texto acima é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do grupo Teatro NU.

Todos os Artigos

Deixe o seu comentário


código captcha

Voltar

Cultura e Cidade

Odoyá, receba o nosso lixo!

Cláudio Marques 08/02/2018

  Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol...

Meu tio Louzeiro

Gil Vicente Tavares 30/12/2017

Recentemente, a obra de José Louzeiro voltou à minha cabeceira. Dirigindo “Roberto Zucco” como formatura de alunos da Escola de Teatro da UFBA, revisitei “Lúcio Flávio, passageiro da...

O Brasil no escuro (II)

Ordep Serra 18/08/2016

Em artigo anterior eu falei que é preciso ser muito burro para acreditar na lenga- lenga de nossos governantes: acreditar que se dinamiza a economia cortando no orçamento verbas destinadas a...

chico science 50

James Martins 11/03/2016

[isso não passa de um post de facebook. mas como já sei que gil vicente ia reclamar, decidi postar aqui. dada a desimportância do texto, peço de antemão, perdão]: participei da transmissão do...

Assine nossa newsletter