Cultura e Cidade

  • Cláudio Marques

    De pais e avós baianos, Cláudio Marques é fundador e coordenador do Panorama Internacional Coisa de Cinema desde 2003. Diretor, roteirista, produtor e montador de 6 curtas metragens, todos co-dirigidos com Marília Hughes. "Depois da Chuva", primeiro longa da dupla, foi exibido em mais de 30 festivais pelo mundo. "A Cidade do Futuro" é o segundo longa de Marília e Cláudio e será lançado comercialmente em 2017.

Sobre o trabalho e a transformação

csm_07112017RM1022_525e27e251

Entendemos logo de início, em Pela Janela, de Caroline Leone, que o trabalho é o tema central do filme. Estamos em uma fábrica, em São Paulo, e Rosália (Magali Biff) trabalha com esmero. Retrato do operário padrão, termo precioso ao desenvolvimento militar dos anos 70, Rosália dedicou cerca de 30 anos àquela linha de produção.

Dado os avanços tecnológicos da vida real esses espaços fabris soam datados. Aliás, também em termos do cinema, nos joga para o passado, pois nos remete a Tempos Modernos, de Chaplin, ou mesmo A Saída dos Operários da Fábrica, dos Irmãos Lumière.

Em Pela Janela, quando não estamos na fábrica, vivenciamos o dia-a-dia silencioso e solitário de Rosália em casa. Um contraste pouco estimulante, pois, no fundo, Rosália continua imersa em si. Reage como um autômato. Sua vida se resume a pouco e tudo já muito decodificado. Não falta dignidade, mas falta viço. No entanto, todo esse “pouco” é muito para essa senhora metódica, com uma vida regrada e sem sobressaltos. É assim que Rosália construiu e alimenta seus alicerces.

Algo que se imagina logo e que não demora a acontecer no filme é a modernização da empresa. Rosália entra na sala do chefe por algum motivo bobo e BUM! Os pilares dessa senhora de 65 anos desmoronam, sem aviso prévio.

Ela ainda retorna à empresa, no dia seguinte, humilde, desnorteada, e oferece seus serviços generosamente, de graça. Subserviente e extremamente grata, ela se coloca a disposição do jovem empresário. Uma cena dura que a leva à depressão.

Aí que entendemos que Pela Janela é menos sobre o trabalho e mais sobre a transformação de um corpo cansado, de uma alma maltratada. É sobre se libertar a qualquer tempo, em qualquer idade. De uma forma sutil, cuidadosa e muito respeitosa com a personagem central, assistimos a um processo de cura.

Essa jornada se inicia com a viagem para a Argentina com o irmão (Cacá Amaral). No trajeto, ela terá a oportunidade de molhar o rosto, as mãos e a alma. A partir de determinado momento, o mais importante no filme é entender como isso tudo passa a ser contado. Pois os acontecimentos se desenrolam de forma muito sutil, num filme sem excessos e onde pouco se fala. Tudo está às claras, sem mistérios. A história é contada com rara segurança e delicadeza.

Situações simples se sucedem dando nova dimensão à vida da Rosália, que ganha um frescor típico de quem estava preso às correntes e parecia não perceber, não entender que algo de anormal se passava.

Eu gosto bastante como Caroline dispõe os corpos e os filma. Gosto da câmera na mão e a luz que se obtém. Pela Janela é um filme simples e muito bem pensado. Uma bela estreia em longas dessa jovem diretora!

 

O texto acima é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do grupo Teatro NU.

Todos os Artigos

Deixe o seu comentário


código captcha

Voltar

Cultura e Cidade

A Cidade do Futuro, o filme

Márcio C. Campos 24/04/2018

Várias cidades do futuro foram erguidas no mundo desde que a sensibilidade moderna se estabeleceu: da italiana e renascentista Palmanova, com sua complexa combinação matemática originando uma...

Odoyá, receba o nosso lixo!

Cláudio Marques 08/02/2018

  Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol...

Assine nossa newsletter