Cultura e Cidade

  • Gil Vicente Tavares

    Encenador, dramaturgo, compositor e articulista. Doutor em artes cênicas, professor da Escola de Teatro da UFBA e diretor artístico do Teatro NU.

Turismo com banana, cultura sem teatro

Dia 11 de fevereiro. Em meio ao rebuliço do carnaval, leio duas notícias relacionadas ao Governo Estadual que se complementam.

A Bahiatursa, presidida pelo filho de Marcos Medrado, que virou aliado e deu votos para a eleição de Rui Costa, destinou 230 mil reais para uma festa privada capitaneada por Bell Marques. Diogo Medrado declarou a um blog que “É uma festa tradicional e que cerca de 30% do público é formado por turistas. Por isso, fizemos lá uma ação promocional do ‘destino turístico Bahia’”. Além disso, Bell Marques daria a grande, fundamental e inequívoca contribuição de divulgar a Bahia nos próximos dez shows que fizer fora do Estado, segundo o mesmo blog.

Enquanto isso, a Fundação Cultural do Estado da Bahia não fará a Mostra Baiana no Festival de Curitiba. Segundo o jornal A Tarde, a coordenadora de Teatro da Fundação Cultural, Maria Marighella, falou que “não se poderia impactar o orçamento da nova gestão sem maiores discussões”. Para quem não conhece, a Mostra Baiana levou, durante dois anos, espetáculos baianos para o Festival de Curitiba, numa mostra paralela que eu pude atestar ser de interesse do público local. Indo a outras peças, ou na bilheteria no teatro onde acontecia a mostra, pude ouvir comentários superlativos até mesmo de que a Mostra Baiana era mais interessante que a oficial. Exageros à parte, havia um reconhecimento bacana para o teatro baiano, além do kit com dezenas de peças e um pendrive com o vídeo das mesmas para curadores e coordenadores de festivais. Tudo isso pelo valor, também segundo A Tarde, de 300 mil reais.

[Correção: segundo Fernanda Maria Tourinho, que acabou de me ligar [21:26h], a mostra não acontecerá porque não foi prevista no orçamento da gestão passada, com a justificativa de não comprometer a atual gestão com o impacto desse orçamento. Por conta disse, mudei as referências no texto a cancelamento. Infelizmente, entra um outro problema, relacionado a prioridades e força política de cada cargo e pasta. Consegue-se R$230.000 pra Bell, mas a cultura não tem meios para conseguir quase o mesmo para um evento de tal impacto. Como disse abaixo, e constatei por telefone, Tourinho lamentou não ter meios para realizar tal mostra. Governador, ainda está em tempo de reverter a situação. Essa, sim, seria uma atitude de um artilheiro frente ao gol. É muito triste ver que a despeito da boa-vontade, gestores ficam amarrados a questões orçamentárias que, em se tratando de uma pasta como a cultura, é um orçamento ridículo e sem vontade política para que se mude o quadro]

As notícias se complementam porque mostram como orçamentos, valorações e filosofia de governo podem ser evidenciadas em duas ações tão distintas, mas, por isso mesmo, representantes de um pensamento sobre a Bahia.

Com a maior facilidade, em pouco tempo de gestão, a Bahiatursa conseguiu 230 mil reais para uma festa privada, de um dia, contemplando apenas um artista/produção, num evento privado com ingressos no valor de R$180 a inteira. Claro que correríamos o risco de ouvir Bell Marques elogiar o Tibet, ou o Deserto de Atacama, e é um grande favor e contribuição falar da Bahia nas próximas apresentações dele, mas mesmo assim, daqui “do baixo” da minha ignorância sobre turismo, pareceu-me uma ação onde o custo benefício não foi, digamos, ideal.

Nesse mesmo dia, fico sabendo, pelo site do jornal A Tarde, que uma mostra do teatro baiano, com diversas apresentações de diversos espetáculos baianos, não acontecerá pelo impacto financeiro de… De? Pois é, 300 mil reais. A notícia ainda veio num momento onde o Festival de Curitiba, por conta de corte de orçamento baiano, passou a bancar parte significativa da mostra, em seu segundo ano, reforçando o interesse deles e a importância da gente.

A primeira coisa que verifico, quando vou ao Rio ou a São Paulo, são os espetáculos em cartaz. É a minha programação oficial, junto a exposições e mostras. Pra muitos, sei que é o mesmo. A qualquer época do ano em que formos lá, veremos arte para todos os gostos (já passei um carnaval em Sampa, por conta de um desfile em que acompanhei Ildásio Tavares que era homenageado da Nenê da Vila Matilde, e vi 3 peças durante o período).

Estou sendo precipitado em questionar a gestão da Bahiatursa, eu sei. Diogo Medrado pode vir com um plano revolucionário para o turismo baiano e calar minha boca. Mas recentemente escrevi um artigo criticando o réveillon de Salvador, feito pela prefeitura, justamente pela cultura de festa excessiva, algo que venho batendo constantemente aqui no site. Não se pensa uma Salvador em constância de programações e atividades. Tudo é circunscrito a um período de poucos dias, um carnaval, um megaxou na praça. Fala-se tanto em crise do Axé, e, ao invés de se buscar perceber outras potencialidades, injeta-se milhares, milhões de reais para salvar uma indústria que, ao contrário, foi vampiresca, fechada num grupo que enriqueceu e se beneficiou sozinho, não soube se renovar, foi decaindo como toda monocultura e, mesmo assim, com seu egoísmo e ganância, ainda acha entre amigos, sócios, admiradores do poder público uma potente verba em investimentos.

O teatro, coitado, ao contrário, segue, como sempre, mal das pernas. A própria Mostra Baiana, para mim, tinha como defeito o não oferecimento de cachê aos artistas, que iam com tudo pago: alimentação, transporte e hospedagem. Mesmo assim, todos iam, no afã de viajar com sua peça, mostrar a cara, e pelo retorno que uma vitrine dessas pode ter para nossa cultura e nosso Estado.

Tenho plena convicção que nem Maria Marighella e nem Fernanda Tourinho ficaram felizes com a não realização da mostra. Mas não depende delas, elas precisam de grana, de 300 mil reais que poderiam vir, inclusive, da Bahiatursa, se essa percebesse o potencial turístico que outras artes de Salvador podem ter, para fortalecer o turismo ao longo do ano e, de quebra, tirar a pecha de que Salvador é boa pra vir no verão tomar cachaça e beijar na boca, somente.

O teatro baiano, de forma intermitente, vem tendo sucesso por onde passa, sempre destacando-se e revelando atores para a TV e o cinema, e dando projeção à nossa província. Mas a Bahiatursa prefere investir 230 mil numa festa de Bell Marques, cujo último sucesso significativo foi, que eu lembre… Ganhar 230 mil do Governo Estadual para uma festa privada com ingressos a 180 reais. A.J. Derby Jersey

 

O texto acima é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do grupo Teatro NU.

Todos os Artigos

Comentários

 Victor
Engraçado. Quer dizer então que já estava previsto no orçamento feito ano passado o "apoio" a festa de Bell Marques, mas não estava previsto o apoio à mostra. A Bahiatursa também pode financiar uma mostra que ira expor o teatro baiano, já que o orçamento da FUNCEB ainda não foi disponibilizado. Razões e desculpa para não fazer já temos demais! Queremos ação.
 Victor
Perfeito seu texto. Mostra de forma clara e objetiva o quanto existe um jogo de interesses e de forma equivocada. O quanto o jogo de interesses políticos prejudica o desenvolvimento do nosso Estado. É possível sim! Tem orçamento, basta abrir credito. Parabéns! Continue essa batalha! Te ouvia na Metropole!
 Fernanda Tourinho
Gil Vicente Tavares, como você sabe sou assidua leitora de seu blog e principalmente de seus artigos, muitos dos quais balizaram meus entendimentos acerca das questões e das reivindicações da classe artística, em especial a classe teatral, à qual estive mais diretamente ligada nos últimos 17 anos. O orçamento da SECULT para o carnaval refere-se ao carnaval do Pelô, Ouro Negro e trios independentes e ao assumir, o Secretário de Cultura já encontra o mesmo previsto, e com dotação financeira. Cabe à gestão os acertos de distribuição do apoio e do fomento. Quanto à FUNCEB, órgão responsável pelo fomento das artes, aguarda ainda a liberação do orçamento e da dotação para iniciar suas atividades. Gostaria, pelo bem da verdade, de corrigir o entendimento de que houve um cancelamento da Mostra Baiana do FRINGE por conta do valor investido pela Bahiatursa no projeto de Bell Marques. São orçamentos distintos e que, embora devam dialogar em nome da intercessão de interesses, provêm de fontes diferentes e são gerenciados por secretarias também diferentes. Afirmo que não houve cancelamento da ação em minha recém empossada gestão. O compromisso com a FRINGE - que deve realizar-se em março próximo, deveria ter sido firmado na gestão anterior, quando do planejamento das ações 2015 e, por decisão da mesma não o foi, optando por não comprometer o orçamento da atual gestão com um valor significativo para o mesmo, frente a possibilidade, como disse, de mudança na direção do órgão. Todas as providências para a realização da Mostra Baiana no Fringe precisavam ter sido tomadas ainda no final de 2014. Repito, não houve CANCELAMENTO. Dizer isso faz o público crer que já estavam todos os contratos firmados e a FUNCEB desistir agora, a um mês do Festival de sua participação. Não foi o caso. Peço a você que corrija a informação porque quero participar ativamente das discussões em prol da melhoria das ações do órgão e, ainda que muito tenhamos que conversar e ajustar, comprometí-me com a transparência e a verdade.

Deixe o seu comentário


código captcha

Voltar

Cultura e Cidade

A Cidade do Futuro, o filme

Márcio C. Campos 24/04/2018

Várias cidades do futuro foram erguidas no mundo desde que a sensibilidade moderna se estabeleceu: da italiana e renascentista Palmanova, com sua complexa combinação matemática originando uma...

Odoyá, receba o nosso lixo!

Cláudio Marques 08/02/2018

  Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol...

Assine nossa newsletter