Cultura e Cidade

  • Gil Vicente Tavares

    Encenador, dramaturgo, compositor e articulista. Doutor em artes cênicas, professor da Escola de Teatro da UFBA e diretor artístico do Teatro NU.

Yo-Yo Ma: arte em transe e os deuses sem Deus

A religião surgiu como forma de tentar compreender, aceitar ou lidar com o imponderável, o incontrolável, o inexplicável. Por isso, as primeiras religiões eram politeístas e mantinham uma relação direta com a natureza.

A natureza passou a ser explicada e os olhos voltaram-se ao homem. Ao indivíduo. Os deuses passaram a ser Deus, e o que antes era representação da natureza, tornou-se ao mesmo tempo algo que tinha a ver com alma, espírito, mas também a ver com o mais amplo, misterioso e inefável. Quanto mais a ciência avançava, mais dilatava-se a noção de Deus. Chegou-se ao big bang e logo perguntou-se: e antes do big bang?

Nietzsche anunciou a morte de Deus num momento onde as questões já deveriam ser outras. Infelizmente, a religião pautou o século XIX, o XX e ainda é marcante e presente no século XXI. Com isso, as matanças, vinganças, disputas, perseguições, preconceitos e diásporas continuam, pautadas pelas crenças, dogmas e regras.

Alguns homens, ao tentar um contato com o inefável, com o divino, acabaram por criar a religião. Outros, a arte. A arte é uma forma sofisticada e libertária de religião. Transcende-se sem dogmas, eleva-se sem moralismos, chega-se a um estado de graça sem crenças.

Sempre frequentei – e continuo – frequentando o candomblé. Sua sabedoria selvagem, voltando a Nietzsche, traz uma relação genuína e pura com a natureza, há, por trás de seu primitivismo, algo que mexe com nosso lado bicho, nosso lado barro, nosso lado fogo, água, vento. Por isso nada mais belo que a relação da energia da natureza com a natureza de cada um. Como na astrologia, somos consagrados a um elemento, a uma energia e sinergia que traduz nossa forma de ser, e ajuda a compreender nosso estar no mundo.

O transe, no candomblé, visto como uma antropoformização das energias da natureza, parece-me muito mais com o que Pierre Verger dizia. É algo que vem de dentro pra fora. Ninguém “baixa” Iansã, Oxum ou Xangô. Chega-se a um estado de transe, de epifania, de concentração de energia, alma, espírito e corpo em estado bruto, denso e visceral.

A arte, a sofisticação da religião, transcende a necessidade de relação com algo que está lá fora, subverte essa ideia de contato com o inefável, e percebe – mais uma vez Nietzsche – que é melhor sermos deuses nós mesmos. A salvação não está no que não se compreende, a enlevação não está no que nos é superior, a salvação e a enlevação estão em compreender-se, elevar-se acima do que o homem insistiu em ser, ao longo dos séculos. O homem é algo que precisa ser superado, e o filósofo alemão não desgruda do meu texto.

Já que é assim, vou escancarar logo dizendo que não é possível acreditar num Deus que não saiba dançar, e “quem manda é a deusa música”, dizia o mestre Gil. E foi justamente o que pude ver, hoje, no palco do Teatro Castro Alves, na apresentação de Yo-Yo Ma e Kathryn Stott.

Ma entrou no palco arrumado, aquela simpática cara oriental com sorriso simples, cabelo lisos e arrumados e deferência para com a plateia. Sentou, começou a tocar Stravinsky e seu cabelo ainda estava impecável, um divertimento, sorriso nos lábios, tudo comportado, som discreto no imenso Teatro Castro Alves e uma agradável noite de concerto.

Durou pouco tudo isso. Algo começava a destoar, já no Stravinsky, e quando Ma começou a entrar na alma brasileira de Villa-Lobos a coisa foi mudando de figura. A coisa e o rosto, o corpo do violoncelista.

Oblivion trouxe-me o esquecimento da música como cerimônia social, com pessoas em seus bons trajes, tossindo, a luz acesa do teatro mostrando que tudo era uma coisa só. De repente, o violoncelo de Ma me puxou pra outro lugar. E assim a dança negra de Guarnieri já era o transe do candomblé em sua forma sofisticada. O músico batia o pé, torcia o ombro, e o rosto sofria, adensava-se, contorcia-se junto ao ritmo, à melodia, às cadências, compassos, respirações. A essa altura, os braços da pianista já bailavam e alguma coisa a mais acontecia naquele teatro. Seguiu-se a Andaluzia de Manuel de Falla e todas as cores ciganas, mouriscas e telúricas inundaram o palco que parecia nothing but flowers.

De nada adiantou o intervalo. Yo-Yo Ma voltou com Stott para tocar Messiaen, o movimento Louvor à eternidade de Jesus, de seu Quarteto para o fim dos tempos, escrito quando da prisão do compositor pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial.

“Este velho santo […] ainda não soube que Deus está morto”, pensou o violoncelo nietzschiano de Yo-Yo Ma e sofreu com ele o desespero de uma humanidade massacrada pela condução de homens que ainda precisavam, e precisam, escorar-se na ideia de um Deus – o meu, certo, o dele, errado – e usá-lo como arma e escudo para o outro e para si.

O longo, repetido e insistente choro de Messiaen foi invadindo as paredes do TCA, meus poros, meus sentidos, minha alma e espírito, longe de Deus e deuses, e fui entrando no transe súbito daquele músico único, mágico príncipe sólido e pássaro: construção e demolição, contradição e tradição num conflito máximo.

A última peça do concerto era pra ser uma sonata de Brahms que eu conhecia para violino e tinha tocada por ninguém menos que Isaac Stern. Mas foi outro Brahms que chegou até mim. Proposital, ou não – e a arte não tem nem deve ter propósito, e por isso é ela mesma mais que Deus e homens –, Yo-Yo Ma tecia seu repertório pondo, impondo e compondo Brahms depois do conflito espiritual de Messiaen, entre o eterno e o fim dos seus próprios títulos.

A ex-sonata para violino virou uma densa, tensa e intensa peça pra violoncelo e piano, e eu ouvia Johannes Brahms como nunca antes. Cabelos bagunçados, batidas de pé, deslizar de pernas, pequenos saltos da cadeira, e Yo-Yo Ma estava em transe. Ele, música, instrumento e resto, eram tudo uma coisa só. Entender o princípio de tudo, o primeiro grito, o primeiro gesto, as primeiras moléculas se encontrando lá atrás; a vida surge quando tudo torna-se uma coisa só e explode. Ribombam ainda os sons desse estouro que se espalha em estilhaços de som, de tessitura, e os homens, que não se contentam em esperar, louvar, inventar e crer, juntam seus cacos de existência em notas musicais.

Yo-Yo Ma sabe disso, mesmo sem saber. Poucos momentos eu tive onde a arte estava em seu verdadeiro tamanho: maior que a vida, fora dela e ao mesmo tempo tão dentro de mim, pulsando como se o Deus que dormisse em mim acreditasse que eu existo. Além do comum, do vulgar, do dia-a-dia que se arrasta jogando uma pá de poeira sobre a poesia da vida. Mas a arte está lá, pra quem quiser. Na poesia da vida, onde há vida na poesia, onde há o transe que não busca o divino, mas mostra o quão divino podemos ser.

Religar o homem a si. Descobrir-se maior que o universo, porque o universo é aqui. Na música e na dança que ainda vão se transformar em silêncio. Silêncio eterno que nem Deus nem a música hão de iluminar para nós o que há de ser. Enquanto não chega esse momento, oremos através da arte.

Assim falou Yo-Yo Ma.

 

O texto acima é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do grupo Teatro NU.

Todos os Artigos

Comentários

 carlos santana
Yo Yo Ma , coloquei no topo da minha lista de humanos para admira-lo em Lato sensu.

Deixe o seu comentário


código captcha

Voltar

Cultura e Cidade

A Cidade do Futuro, o filme

Márcio C. Campos 24/04/2018

Várias cidades do futuro foram erguidas no mundo desde que a sensibilidade moderna se estabeleceu: da italiana e renascentista Palmanova, com sua complexa combinação matemática originando uma...

Odoyá, receba o nosso lixo!

Cláudio Marques 08/02/2018

  Por décadas, eu frequentei a festa dedicada à Iemanjá no Rio Vermelho. Desde 1986, acho, de forma ininterrupta. Eu sou diurno e sempre cheguei cedo, por volta das cinco horas da manhã. Sol...

Assine nossa newsletter